image1 image2 image3

Mãe e filha Fashion Blogger|Prazer; Seja bem vindo!|Eu sou a Gracielli Roque|' Eu sou a Duda Roque

#Aprendi aos 30


Oieee flores,como vão?
Parei um pouquinho pra pensar SOBRE MEUS 30...


Conheço amigas que chegar aos 30 anos era tipo “a porta do envelhecimento”, e morria de medo de passar por esse marco, porque achava que não poderia fazer as coisas que sempre gostaram por não ser “adequado” pra idade.

Eu sempre desejei chegar aos 30,a pele muda, o corpo muda, o metabolismo muda, e isso pode não ser lá muito bom, mas tem uma coisa que muda, e muda pra melhor: a cabeça!


Eu não tenho as inseguranças que tinha aos 20. Eu não tenho as dúvidas que tinha aos 20. Eu não paraliso de medo como já paralisei muitas vezes, e passei a ter a força e a coragem que nunca imaginei que teria. Eu me conheço muito mais e me permito muito mais também. Eu sei exatamente o que quero e, principalmente, o que não quero. Eu aprendi a dizer “não” e aprendi que era muito mais importante ser quem eu realmente era do que ceder aos desejos e vontades alheias pra ser “aprovada ou aceita”, porque isso me isolava de mim mesma, e esse era o maior erro que eu poderia cometer.

Aprendi, finalmente, a “deixar ir”, a “deixar viver o que precisa viver e morrer o que precisa morrer”. Eu não sou mais tão ingênua quanto era antes, mas continuo acreditando no bem. Parei de me cobrar tanto, de me criticar tanto e de me punir tanto. Parei de olhar para os lados e comecei a olhar pra dentro e a cuidar de dentro, que é onde, afinal, tudo acontece.
Aos 20 eu me achava a dona da verdade e me ofendia quando alguém me criticava ou pensava diferente de mim. Aos 30 eu aprendi, e cada vez aprendo mais, que eu sei muito pouco e que isso é maravilhoso, porque me permite aprender cada vez mais. Passei a aceitar as críticas e valorizá-las como atos pontuais de cuidado, e valorizo e respeito quem pensa diferente de mim, porque sem discordâncias não existe crescimento e cada um tem o direito de pensar o que quiser. Aprendi, enfim, a aceitar as pessoas como elas são e a amá-las sem “se” e independente “de”.

Aprendi que não preciso de muito pra ser feliz e que tudo o que eu acreditava que me traria felicidade era pura ilusão. Aprendi que nada pode me fazer feliz se eu não estiver feliz, e isso só depende de mim.

Aprendi que querer ''esganar'' uma pessoa não me impede de amá-la. Ao contrário, porque já quis esganar minhas amigas mais queridas pelo menos uma dúzia de vezes (e tenho certeza que elas quiseram me esganar 10 vezes mais!) e continuo dizendo que elas são as melhores do mundo.

Ainda preciso aprender muitas coisas, conhecer muitas coisas e viver muitas outras coisas, mas hoje, muito mais do que 10 anos atrás, eu tenho certeza que estou no caminho certo, fazendo as coisas do jeito certo e, melhor, não tenho a afobação que tinha antes, e isso, sinto muito, não tem preço!
E, falando em preço, se envelhecer é o preço que se paga pra não morrer de ansiedade todos os dias, tenho que dizer que vale demais e que não troco isso por nada no mundo!

É… A verdade é que não trocaria a Graci de hoje pela Gracielli de 10 anos atrás “nem a pau”, porque quanto mais a gente vive, mais experiências tem, e nada no mundo é mais interessante e mais bonito do que uma pessoa que vive muito, experimenta muito e conhece muito.

Obrigada meu Deus...Que darei eu ao Senhor, por todos os benefícios que me tem feito?Salmos 116:12

Look que usei...
Clucth em pérola: Gi Benny
Local das fotos:Casa Brava em Búzios
Foto e Make: FotoMake

Compartilhe:

CONVERSATION

1 comentários:

Joyce Leão disse...

Menina que texto poderoso, e esse look??? Lindo demais, concordo com cada vírgula que escreveu! SUCESSO!!!